[sam_zone id=1]

O Povo Perdido da Amazônia

O Povo Perdido da Amazônia Embora seja desconhecida pelos próprios brasileiros, Miracangüera provoca polêmica no mundo inteiro. A cerâmica encontrada na região mostra que uma cultura desconhecida habitou...

234 0
234 0

O Povo Perdido da Amazônia

Embora seja desconhecida pelos próprios brasileiros, Miracangüera provoca polêmica no mundo inteiro. A cerâmica encontrada na região mostra que uma cultura desconhecida habitou a Amazônia.

Uma grande necrópole indígena contendo grande quantidade de peças de cerâmica com incrível perfeição foi descoberta casualmente pelo explorador João Barbosa Rodrigues, um dos pesquisadores mais completos já vistos no Brasil. Percorreu por vários anos o gigantesco sistema fluvial do Amazonas, mapeando para o então governo imperial muitas regiões desconhecidas na época. Barbosa Rodrigues batizou o sítio recém-achado de Miracangüera.

Amazônia

Quando finalmente chegou ao local apontado, perto de onde hoje está a cidade de Itacoatiara, Barbosa Rodrigues localizou o único caboclo que sabia onde achar aquele artesanato raro. Depois de muita insistência e de ganhar algum dinheiro, o caboclo mostrou ao cientista o local exato onde havia grande quantidade daquela cerâmica tão rara. Cacos de louça eram vistos aos milhares, com riqueza de formas nunca vista em qualquer outro sítio arqueológico brasileiro.

Pesquisas exaustivas mostraram que a maioria das peças de cerâmica tinha finalidade ritual, havendo vasos para a queima de incenso e cinzas de mortos. Pratos e tigelas cobertos por uma camada fina de barro branco também foram achados. Algumas das cerâmicas representavam animais noturnos, como corujas e morcegos. Barbosa constatou que havia sempre uma figura humana nas vasilhas mortuárias. Havia ainda vasos “masculinos” e “femininos”, imitando pênis e vulvas.

Barbosa Rodrigues notou que o sítio arqueológico era voltado para a direção do nascer do Sol (Leste). Ele encontrou muita dificuldade para identificar a tribo responsável por aquelas obras de arte, já que as tribos da região não possuíam cerâmicas tão evoluídas quanto aquelas. Barbosa só revelou a existência do local em 1887, possivelmente para mantê-lo em segredo até que tivesse condições de voltar com uma expedição melhor equipada, o que nunca conseguiu. A repercussão da descoberta não foi a esperada pelo famoso explorador.

Em 1900 uma parte das peças recolhidas por Barbosa em Miracangüera foi enviada para os Estados Unidos. O governo brasileiro da época não se interessou em tê-las de volta. Participantes de um congresso de Arqueologia que ocorreu no Rio de Janeiro em 1978 denunciaram a apropriação indébita dos americanos, mas o Itamaraty nada fez até hoje.

1a07f2

João Barbosa Rodrigues faleceu em 1909. Em 1925, o famoso antropólogo Kurt Nimuendaju tentou encontrar Miracangüera, mas a ilha já tinha desaparecido nas águas do rio Amazonas. Arqueólogos americanos também vasculharam áreas arqueológicas da Amazônia, inclusive no Equador, Peru e Guiana Francesa, no final dos anos 40. Como não conseguiram achar Miracangüera, “decidiram” que a descoberta do brasileiro tinha sido “apenas de um sítio da chamada ‘Tradição Policrona’ ou seja, uma sub-tradição de agricultores andinos”.

Porém, nos anos 60, um outro americano lançou nova interpretação para aquela cultura, concluindo que o grupo indígena de Miracangüera não era originário da região, como já dizia Barbosa Rodrigues. Trata-se de um mistério relativo a uma civilização perdida que talvez não seja solucionado nas próximas décadas.

Em pleno século 21, a cultura miracangüera continua oficialmente “inexistente” para as autoridades culturais do Brasil e do mundo.

In this article

Join the Conversation