[sam_zone id=1]

Estatuetas de Acámbaro

Estatuetas de Acámbaro Em Julho de 1945, Waldemar Julsrud, um comerciante mexicano, deparou-se com uma coleção de pequenas estatuetas, cerca de 33 500 peças, com aproximadamente 6000 anos....

1164 0
1164 0

Estatuetas de Acámbaro

Em Julho de 1945, Waldemar Julsrud, um comerciante mexicano, deparou-se com uma coleção de pequenas estatuetas, cerca de 33 500 peças, com aproximadamente 6000 anos. O que nos interessa aqui é o fato de que em sua maioria representam homens e ao mesmo tempo dinossauros, entre outros animais considerados extintos a milhares de anos.
Vale recordar que a ciência atual não admite o convívio de seres humanos com dinossauros, devido à suposta margem de tempo que há entre a extinção do primeiro e o surgimento do segundo.
Waldemar Julsrud lotou completamente sua mansão de doze cômodos com a coleção de mais de 33 500 peças. Havia ídolos, instrumentos musicais como flautas, curiosas máscaras, ferramentas e utensílios que indicavam conexões culturais com egípcios e sumerianos, assim como estatuetas esculpidas em barro em diversas cores e humanos de diferentes povos: asiáticos, africanos, caucasianos barbados, esquimós, mongóis, como também de criaturas monstruosas, misturas curiosas de humanos com animais, e muitas outras até hoje inexplicáveis criações.
Argumentos pela autenticidade
Posteriormente aspectos considerados erroneamente representados nas esculturas, como por exemplo os serrilhados das costas, mostraram-se corretos com a descoberta recentes de impressões fósseis da pele dos dinossauros, fato desconhecido na época das descobertas. Relatos de observadores da escavação indicam que havia crescimento de raízes antigas por entre as peças.
 
Evidências de fraude e realidades
As circunstâncias da “escavação” das figuras são motivo de suspeita. Julsrud afirma que pagou a camponeses por cada figura que lhe entregaram, pelo que é plausível, pode ser que estes fabricaram as estatuetas e as fizessem passar por relíquias autênticas.
 
Segundo Charles C. DiPeso, a superfície de algumas figuras evidenciava que eram de factura recente. Não mostravam as características habituais de elementos que teriam permanecido enterrados durante milhares de anos. Se realmente fossem relíquias autênticas estariam arranhadas e desgastadas como o restante dos artefatos encontrados nessa área do México.
 Também é estranho o grande número de figuras recuperadas em tão bom estado e inclusive as que parecem gastas têm fraturas limpas, que se deduz serem recentes.
In this article

Join the Conversation